Botucatu, terça-feira, 17 de Setembro de 2019

Colunista Murilo Mendes Maciel Pastor Evangélico
01/05/2018

CONHECENDO SOBRE A BÍBLIA - 2



“Shalom Adonai!” (A Paz do Senhor!)

Estamos no quarto mês do ano de dois mil e dezoito; e é uma manhã onde sopra uma brisa anunciando que o inverno está a caminho; ventos serranos fazem barulho nas folhas das arvores. A beleza natural do soprar do vento é algo que faz com que nossa memória puxe dentre suas lembranças, a passagem sagrada do Cristão que fala sobre as virtudes dos céus serem abaladas e não destruídas. A destruição dos seres viventes sobre a terra não é uma exclusividade da Bíblia. Povos de diversas partes do nosso globo durante a antiguidade deixaram registrado em seus livros o juízo divino sobre a terra em virtude do mal encontrado na mesma. Mas no princípio a divindade não teve em seus projetos e sonhos a destruição e sim a criação de tudo muito bom. Vamos prosseguir em nossa jornada de ciência bíblica no Livro de Gênesis capítulo 2 versículo 14 que diz: “O nome do terceiro rio é Tigre, que corre ao oriente da Assíria. O quarto rio é o Eufrates.” (Bíblia Sagrada - Ave-Maria). Aqui temos a sequência da descrição dos rios que marcam a localização do jardim no Éden, ou melhor dizendo, dos braços do rio que vem do Éden e este é o terceiro braço. Tutmósis (Moisés) prossegue uma obra registral de maneira a atravessar milênios. A maneira simples e prática com que é registrado cada passo ou etapa do ato criativo da divindade no princípio dos princípios; isso é algo surpreendente; pois é direcionado o texto à um povo sem erudição e profundos conhecimentos; os hebreus no início de sua organização legal; se podemos assim nos dar o luxo de dizermos; pois, seu legislador é o autor dos registros dos princípios. Quando diz - “O nome” Tutmósis está identificando o braço do rio, pois, cada braço tinha um nome específico e conhecido, ou pelo menos, identificável pelos seus leitores que pela referência a cada um poderiam facilmente localiza-los. Esse terceiro, que podemos dizer este, pois, ainda hoje conseguimos encontrar o rio Tigre. O Tigre com comprimento de 1.900 Km nascente nos montes Tauro da Turquia passando por Mossul, terceira maior cidade no atual Iraque. “Corre ao oriente da Assíria”. É o referencial de localização do terceiro braço do rio. O mesmo princípio que utilizamos para identificarmos sua localização atual pela referência que conhecemos: Turquia - Iraque. A mesopotâmia, berço das civilizações na antiguidade apenas tiveram condições de florescer graças aos rios que cortavam seu território, o Tigre entre eles. As águas de cada braço do rio dado por Deus propiciou as condições de vida e população. Em toda etapa do ato criativo de Deus é afirmado que tudo o que Deus criou era muito bom. O grande amor e Deus se manifesta desde sua criação primitiva e as condições existência da coroa de sua criação, a humanidade.

 

Murilo Mendes Maciel

Pastor, teólogo, professor e historiador

murilohist18@gmail.com










© Alpha Notícias. Todos os direitos reservados.