Botucatu, domingo, 22 de Setembro de 2019

Colunista Quico Cuter Jornalista, Autor, Escritor, Historiador e Poeta
01/03/2019

Persuasão dos charlatões que agem em nome da fé



Denúncias de pedofilia na igreja católica que estão sendo denunciadas a nível mundial, envolvendo religiosos estão gerando grande preocupação no Vaticano. O Papa Francisco comparou a "praga" dos abusos sexuais de menores de idade às práticas religiosas do passado de oferecer seres humanos em sacrifício, em seu discurso de encerramento na reunião sobre a pedofilia celebrada no Vaticano.

Essas denúncias que envolvem, sacerdotes, bispos e cardeais devem ser apuradas de maneira cirúrgica para que os criminosos que usam o nome de Deus para essas práticas execráveis sejam, exemplarmente, punidos. Se por um lado a igreja católica vive, atualmente, esse pesadelo, a evangélica nada de braçada. Explico o porquê.

Evidentemente, não são todos, deixemos isso bem claro, mas muitos pastores que, na verdade, são verdadeiros bandidos, charlatões e exploradores da fé, estão se autoproclamando homens de Deus aparecendo constantemente na TV assumindo a cura de câncer, cegueira, Aids, derrame, lepra, gangrena, dependência química, prometendo prosperidade, entre outros milagres. Claro que os milagres existem, mas vamos com calma, cara pálida!

Então, em nome da fé são movimentados bilhões de reais com o dízimo (que também é bíblico e absolutamente legal, mas alguns pastores pedem muito mais do que os fiéis podem dar).  Tem quem prega o trízimo.  E mole? Não são raros os que dispõem do próprio patrimônio, como carros e casas, que só são aceitos se estiveram, devidamente, quitados. Isso sem falar na venda em larga escala dos mais variados produtos que vão de lenços, toalhas, travesseiros, chapéus, meias, ampulhetas, candelabros, frascos de água ou óleo abençoados, CDs, DVDs, livros, preservativos (pasmem), vassouras ungidas (para varrer o mal), chaves (para abrir as portas da prosperidade), entre muitas outras coisas.

E esses falsos pastores que mostram humildade quando fazem pregação nas igrejas, na vida real vivem, nababescamente, em suntuosas mansões, desfrutando de  tudo que o dinheiro pode comprar,  como fazendas, carros importados e aeronaves (helicóptero ou avião). Estão espalhados  em templos distribuídos pelos estados brasileiros e países da América do Sul,  Europa e África, onde as pessoas se comprimem em busca de um milagre, enxergando nos cultos a possibilidade de mudança de vida.

Alguns pastores, não são todos, repetimos, agem como verdadeiros animadores de auditório. Abraçam as pessoas, beijam, choram, benzem, cantam, expulsam espíritos maus e ouvem testemunhos de fiéis que teriam sido curados das mais graves enfermidades, geralmente com um simples toque de mão. Entretanto, não conseguem curar a si mesmos e procuram o médico quando tem algum problema de saúde, até para dor de dente. Ué! Aquela grande e inabalável fé, que os transformam em milagreiros só funciona nos outros? Que injustiça! O cara que diz que tem o “poder” de curar até aids, não se livra de uma dor de dente. Ah!  Me erra!

Mas temos que admitir que o poder de convencimento dessa gente é coisa de cinema. São verdadeiros doutores da persuasão. Sabem fazer dinheiro. O duro é que a maioria dos fiéis que acredita na lábia dessa chusma, pertence a camada mais pobre da população, desassistida pelo governo, sem estudo, carecendo de coisas básicas como habitação, educação, lazer, assistência médica ou emprego.

Se por um lado eles exploram, descaradamente, a fé das pessoas incautas, por outro lado o Ministério Público, governo, ONGs de defesa dos direitos humanos, políticos, entidades de médicos e imprensa evitam se envolver com esses “milagreiros” porque temem serem acusados de perseguição religiosa. Impunes, buscam inovar as estratégias de amealhar dinheiro. Para os que criticam e duvidam do poder de cura dos milagreiros a resposta está na ponta da língua: “são endemoniados”.

E a criatividade é espantosa. Tem até aqueles charlatões que mostram intimidade com Deus e durante o culto fala com Ele, via telefone celular. Papagaios! E tem gente que acredita!!!! Outros chegam ao cúmulo da ressuscitação ou fazem a “tradução” quando uma pessoa fala em línguas.  Como não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe, essa gente que hoje brinca de ser Deus, amanhã vai pagar e ter que se acertar com Ele. E o joio será, definitivamente, separado do trigo.  Que assim seja!










© Alpha Notícias. Todos os direitos reservados.