Botucatu, segunda-feira, 22 de Julho de 2019

Política
08/05/2019

Vereadores cobram política pública para o acolhimento de dependentes químicos



Documento aponta que, atualmente, nas praças e outros locais públicos, são encontradas diversas pessoas em vulnerabilidade social, as quais têm pernoitado nesses espaços e a grande maioria dessas pessoas tem problemas psicológicos ou com drogas

 

Questões relacionadas aos dependentes químicos, seja de álcool ou de drogas ilícitas, sempre envolvem uma atenção especial e ações grandiosas. Buscando melhorias para o problema e mais acolhimento a quem precisa, a vereadora Rose Ielo [PDT] e o vereador Antônio Vaz de Almeida - Cula [PSC] uniram forças e apresentaram um pedido por projetos e ações efetivas nesse sentido. O requerimento, apresentado durante a última sessão ordinária da Câmara Municipal, foi aprovado pelos demais legisladores.

O documento foi encaminhado para o secretário municipal de Saúde, André Spadaro, à secretária municipal de Assistência Social, Sílvia Fumes e à assessora em Políticas de Inclusão da Prefeitura Municipal, Ana Paula Bassetto, solicitando que, em conjunto, seja informada sobre a possibilidade de elaborarem uma política pública integrada que envolva as áreas de Saúde, Assistência Social e a Inclusão Social, desenvolvendo projetos específicos que visem o acolhimento, tratamento e reinserção social das pessoas em situação de rua com dependência química de álcool e outras drogas.

De acordo com o documento, atualmente, nas praças e outros locais públicos, são encontradas diversas pessoas em vulnerabilidade social, as quais têm pernoitado nesses espaços. A grande maioria dessas pessoas tem problemas psicológicos ou com drogas. Conforme levantamento da população moradora ou em situação de rua que vem sendo realizado pela Secretaria de Assistência Social em conjunto com o Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS e a unidade Espaço Acolhedor “Milton Francisco de Oliveira” [Albergue], embora ainda não finalizado, até o momento há aproximadamente 50 pessoas identificadas pelo uso de substâncias psicoativas – álcool e drogas.

O pedido destaca a necessidade de identificar quantos desses usuários passam o dia na rua por causa da dependência e depois retornam para suas casas e quantos usuários realmente moram e dormem nas ruas, pois estima-se, até o momento, 20 moradores de rua. O Espaço Acolhedor, unidade de serviço da Secretaria de Assistência Social, é uma casa de passagem que atende e acolhe pessoas em situação de rua, possibilitando a reinserção social e familiar para aqueles que desejam esse tipo de atendimento. Ampara, em média, 300 pessoas por mês, incluindo pessoas em situação de rua ou em trânsito.

A necessidade do desenvolvimento da ação é defendida por Rose Ielo e Cula pelo fato de que embora o Espaço Acolhedor ofereça acolhida e auxilie na reinserção familiar aos moradores, muitos não aceitam atendimento devido a dependência química de álcool e outras drogas, bem como outros motivos que acabam prejudicando e interrompendo o vínculo familiar. Atualmente, a dependência química é a principal causa para a quebra do vínculo familiar, se fazendo necessária uma grande ação com políticas públicas integradas em benefício dessa parcela da sociedade.










© Alpha Notícias. Todos os direitos reservados.